Síndrome dos 20 anos

Há alguns anos li um artigo na internet intitulado “Síndrome dos 20”, inicialmente achei alguma piada ao tema mas confesso que não lhe forneci a devida atenção, entretanto o tempo passou e dei por mim a pensar que já não sou o mesmo individuo que era há 4 anos atrás.

Para ser concreto irei mencionar neste post alguns dos “sintomas” que provavelmente afetam muitos de nós que se encontram na respetiva faixa etária mas isto não é caso para deprimir porque estamos provavelmente numa das melhores fases da nossa vida, agora somos independentes, adquirimos personalidade e a nossa opinião ganhou significado.
Se ainda não tens 20 anos, não desesperes, este post vai revelar tudo o que vais sentir em breve 😉

O nosso grupo de amigos já não é o mesmo

Se executarmos uma retrospectiva iremos reparar que o nosso grupo de amigos deixou de ser aquele que tínhamos aos 16/17 anos, o número de amigos tende a diminuir e o número de pessoas conhecidas aumenta, passámos menos tempo com os nossos amigos apenas porque estamos cansados, não nos apetece sair de casa ou até mesmo porque temos outros planos, em outras situações velhas amizades ressurgem, reforçam-se laços e determinados amigos oferecem-nos provas que afinal não eram tão nossos amigos como pensávamos.

Alterámos a nossa perspetiva da realidade

Sermos atores, modelos, médicos, engenheiros, famosos, vivermos numa mansão, ter um emprego magnífico, pensarmos que tudo é fácil e etc. Todas as nossas fantasias de outrora são esquecidas, nesta idade observámos que a vida não é aquilo que ambicionávamos há alguns anos atrás, descobrimos que alguns dos conselhos dos nossos pais se revelaram essenciais para a nossa evolução de jovens para adultos e que tivemos atitudes estúpidas enquanto adolescentes, desta forma adquirimos outra perspetiva de realidade, reparámos que é preciso lutar para alcançarmos tudo que desejámos e que nem sempre o resultado dessa luta é positivo. Tudo é complicado e são várias as alturas em que ponderámos desistir daquilo que desejámos mas é nesta fase que devemos pensar que desistir é para fracos.

Ânsia de mudança

Tal como referi anteriormente, por vezes ponderámos desistir do que lutámos, seja o nosso emprego, uma licenciatura ou outra coisa qualquer que estabelecemos como um objetivo a alcançar, frequentemente depararmos-nos com vontade de mudar a vida, de agirmos sem pensar, de arriscar tudo, provavelmente porque o tempo parece passar depressa pelo motivo de ainda não termos cumprido muitos dos nossos objetivos estabelecidos previamente. Queremos mudar a nossa vida mas será que essa mudança é a atitude mais correta?

Tornámos-nos individualistas

Isto pode manifestar-se numa mudança positiva ou negativa, dependendo das circunstâncias, nesta idade adquirimos consciência que passámos a adolescência a valorizar a opinião que os outros têm sobre nós, deixámos de valorizar a opinião alheia e de viver em função dos outros, isto é ótimo mas pode revelar-se um erro se vivermos apenas em função dos nossos pensamentos porque nem sempre estamos certos.

Conhecemos o significado da independência

Após concluirmos o ensino secundário somos violentamente confrontados com a entrada no mercado de trabalho ou no ensino superior, na primeira opção somos inseridos num contexto totalmente diferente do qual estávamos habituados, começamos a ganhar o nosso salário, a saber gerir o dinheiro e determinámos que algumas “coisas úteis” que pedíamos aos nossos pais para comprarem podem ser complicadas de serem adquiridas com o nosso dinheiro. Na segunda opção somos introduzidos num contexto educativo diferente do ensino secundário, a matéria torna-se mais complicada e a quantidade das horas de estudo aumenta, contudo também criámos amizades consistentes e outras que se deterioram com o tempo e com o reflexo das nossas ações.
É nesta idade que normalmente saímos do lar dos nossos pais e que partimos em busca de uma vida autónoma, não são poucos os momentos em que sentimos falta da comida da nossa mãe, das conversas com a nossa família e do ambiente em que crescemos habituados.

Loucura do Fim de Semana

Os fins de semana tomam outro significado quando temos 20 anos, sejamos estudantes ou trabalhadores passámos os dias da semana a esperar pela noite de sexta-feira. Ficámos ansiosos pela sexta-feira, para vermos um filme ao fim de jantar ou para ir tomar café com os amigos sem pensar que teremos de acordar para trabalhar/estudar no dia seguinte, no Sábado acordámos ao meio-dia com o aroma do almoço, passámos a tarde a tentar fazer algo de produtivo mas em geral nunca fazemos. Inexplicavelmente, os fins de semana ganham outro “sabor”.

Nostalgia

Um sentimento de nostalgia invade-nos, estamos bem mas sentimos saudades da nossa adolescência, de situações que nos fizeram sorrir, de viagens, de amizades que se afastaram e etc… Gostámos de ver fotos do secundário, de observar as nossas diferenças físicas e psicológicas, até podemos estar melhor mas sentimos sempre saudades do passado.

Sentir uma espécie de “inveja” de quem é mais novo

Passou-se um pouco comigo, há uns tempos o meu irmão de 9 anos disse-me que adorava ter a minha idade para sair à noite e fazer o quiser, em suma, ele queria ser independente, passei-lhe a mão na cabeça e disse-lhe “Miúdo aproveita a vida, quando tiveres a minha idade vais arrepender-te de não ter aproveitado cada momento ao máximo”.
Não sinto inveja de uma criança de 9 anos mas sim da vida que ele terá um pouco mais tarde, do primeiro grupo de amigos a sério, das visitas de estudo do secundário, dos professores lunáticos, do sentimento de medo que os nossos pais descobrissem quando faltávamos a uma aula, da sensação de fumar um cigarro às escondidas apenas para nos fingirmos de adultos (que idiotice), da viagem de finalistas, de concluirmos o secundário e do sentimento de satisfação que isso nos proporcionou, e etc… Em suma, talvez a palavra “inveja” seja a menos correta, na nossa idade atual quando observámos o nosso passado só pensámos nos bons momentos que vivemos e naquilo que devíamos ter feito.

Anúncios

10 thoughts on “Síndrome dos 20 anos

  1. Sara Alves diz:

    Este texto descreve exactamente aquilo que sinto 😀 apenas com uma única diferença… eu não me posso levantar as 12H ao sabado… eu sou quem faz o almoço :D!! Amei, belo reflexo daquilo que são os nossos 20 anos

    Liked by 1 person

  2. Patti diz:

    Muito bom o texto, parabéns!! 🙂 Identifico-me e revejo-me bastante nestas palavras e chego mesmo a perguntar-me como teria sido se antes dos 20 tivesse feito escolhas diferentes, perdendo-me por vezes em pensamentos que me levam a essa nostalgia..

    Liked by 1 person

  3. Rae ;) diz:

    Não concordo na parte de sexta feira para quem é estudante universitario xD Achei uma realidade mais dura e que se adequa mais as pessoas que sao logo inseridas no mercado de trabalho

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s